Me Siga

Luz no fim do túnel

Júlio Martins

Publicado

A Playboy sempre foi uma revista especializada em "brincar" com o imaginário masculino. Sempre procurou trazer na capa (e no recheio) as mulheres "mais amadas do Brasil. Assim foi durante décadas, quando a revista trouxe às bancas beldades do momento, de Vera Fischer à Juliana Paes, cada uma à sua època, com mais ou menos Photoshop. A verdade é que de um tempo pra cá a Playboy vinha insistindo num formato que parece ter dado o que tinha que dar. Desde que passei a assinar a revista, isso já faz um ano eu acho, nenhuma das "mulheres que amamos" foi capa. Era "mulher fruta" e "bbb's" pra todo lado. Enquanto isso, ficamos nós aqui esperando pra ver Paola Oliveira, Fernanda Souza e outras tantas que realmente mexem com a imaginação. A "safra das frutas" parece ter chegado ao fim. Este mês (a revista ainda não chegou pra mim) a capa é a bela Bárbara Borges, que faz "sucesso" com a minha geração desde os tempos em que era Paquita da Xuxa (como a Letícia Spiller, a Luciana Vendramini, Andréa Veiga...). Pro mês que vem eles já estavam dando uma "derrapada" e prometendo Fernanda Young. Felizmente surge a informação de que não, outubro vai ser o mês da Juliana Alves. Uma das mais belas morenas do Brasil, figura fácil na lista das mulheres mais bonitas da tv e dona de um corpão que até as mulheres dão uma babadinha, se bobear. Ela vem aí, em outubro, pra dar sequência às capas-recheios-e-tudo-mais com as verdadeiras "mulheres que amamos". Olá, Playboy, seja bem vinda de volta à realidade.

Destaques

© 2020 - Júlio Martins