Me Siga

Um adeus temporário

Júlio Martins

Publicado

Antes mesmo de chegar em Bento Gonçalves (ainda no período de negociações) uma das primeiras referências que tive era de que o Bento Vôlei estava na batalha pra voltar à Elite do voleibol nacional. A tradição do time da Serra eu até já conhecia de longe, afinal, uma década de participação projetou Bento em nível nacional e eu, mesmo lá longe, no Boqueirão, já havia ouvido falar do time de vôlei da cidade. Chegando em Bento pude acompanhar mais de perto o clube (nem tão perto quanto gostaria, mas vá lá!). Desde a chegada pude perceber qual era o grande mal do clube (o mesmo da maioria dos clubes do interior): falta de recursos para grandes investimentos e a eterna briga para passar da primeira fazse, ou seja, ficar entre os 8 melhores e disputar os playoffs já seria motivo de festa. Ainda em 2007 trabalhei em alguns jogos e vi que o time tinha qualidades - talvez não para ficar no G8 -, mas o suficiente para movimentar uma torcida entusiasmada, apaixonada... Os projetos que contemplavam a meninada e oportunizavam o surgimento de novos talentos também me chamaram a atenção. certamente o ponto alto era, foi continuaria sendo a torcida que, mesmo nos momentos mais delicados, de derrotas seguidas e princípio de crise, estava lá, superlotando o ginásio.

A notícia, pré-anunciada há meses, de que o clube para e não vai para a Superliga por falta de patrocinadores frustra. Não diria que choca porque, como disse antes, já se pré-anunciava há meses, mas é doloroso. Dói mais saber que existem pessoas corendo atrás, suando, tentando provar que é viável sim e dá retorno investir no esporte. Não fosse o retorno, quem investiria para trazer craques como Giba, Rodrigão, Marcelinho e tantos outros de volta ao Brasil? Me considero pequeno demais para criticar os (não)investidores, mas não consigo compreender como uma das regiões mais ricos do país pode ficar de fora de uma competição que dá espaços valiosos na tv, por exemplo. E não é nenhuma "barca furada". Em Bento Gonçalves existe uma estrutura, existe base para o surgimento de novos talentos, existe "voia", então, por que o Bento Vôlei vai ter que ficar parado?

Tenho certeza que esse é apenas um "adeus temporário" e que em breve poderei volta ao Ginásio Municipal para narrar pontos de Bento, para poder me sentir pequeno em meio aos gigantes que ocupam a quadra. Não tem problema, o que quero mesmo é ver a bola no alto, ver as arquibancadas lotadas e aquele ginásio tremendo. Em 2009 não dá mais, então, que venha 2010 logo e que as notícias possam ser bem mais entusiasmantes.

Destaques

© 2020 - Júlio Martins