Me Siga

O jogo do ano para o Internacional

Júlio Martins

Publicado

O torcedor normalmente classifica nós cronista como exagerados, como torcedores do time rival ou coisas do tipo, mas a verdade é que na maior parte do tempo pensamos diferente e temos convicções que a passionalidade de torcedor não lhe permite ter. Dia desses até escrevi que o segundo turno do Gauchão virou Copa do Mundo para a dupla Gre-Nal.

Então, mesmo sendo exagero para muitos, sim, o confronto de logo mais contra o Tolima é o jogo do ano para o Internacional. E não precisa ser gênio pra explicar a razão.

Antes mesmo do Brasileirão terminar, a direção mandou embora Odair Hellmann por temer que ele não classificasse o time para a Libertadores. A expectativa pela vaga seguiu com Zé Ricardo, que mesmo aos trancos e barrancos confirmou-a enquanto a direção trabalhava nos bastidores para trazer Eduardo Coudet, profissional com "cheiro de Libertadores".

A aposta em Coudet passava, lógico, por uma classificação direta, sem riscos de eliminação precoce ou comprometimento do período de preparação, o que acabou acontecendo. Com pouco tempo para trabalhar e implantar suas filosofias de jogo e de trabalho, Chacho Coudet tem seu trabalho colocado em cheque pouco mais de um mês após seu desembarque.

O jogo desta noite não vale somente a classificação à fase de grupos, os cerca de R$ 13 milhões no cofre por três jogos na fase de grupos, a possibilidade de rivalizar diretamente com o Grêmio na Libertadores. Não! Classificar ou ser eliminado hoje no Beira-Rio significa seguir adiante ou refazer todo um planejamento. Ficar de fora agora seria uma tempestade muito maior que a perda do título da Copa do Brasil, que já causou prejuízos suficientes e deixa reflexos até hoje. A permanência de Coudet, por exemplo, não estaria ameaça, não diretamente, mas seu trabalho e seus métodos passariam a ser questionados com maior rigor e a conquista de uma Copa do Brasil ou de um Brasileirão passariam a ser obrigação para o Colorado.

Agora me digam, é ou não é o jogo do ano para o Internacional?

Destaques

© 2020 - Júlio Martins